"para vos unirdes, todos vos deveis curvar..."

AVVD-02 de junho de 1987
A VONTADE DO SAGRADO CORAÇÃO

A VONTADE DO SAGRADO CORAÇÃO

Discurso de Vassula na Peregrinação de AVVD 2007

UM BRADO DO SAGRADO CORAÇÃO:
O DESEJO DE CRISTO PELA UNIDADE

Hotel Adakule, Turquia
25 de maio de 2007

Queridos amigos de AVVD:

Abaixo temos o discurso dado por Vassula, em 25 de maio de 2007, no hotel Adakule, na Turquia, durante a recente peregrinação de A Verdadeira Vida em Deus. Por favor, compartilhe este discurso com todos os leitores e amigos da AVVD e com os membros do clero de vosso país.

Este discurso foi dirigido a uma audiência de 500 peregrinos de 59 países distintos, incluindo um Cardeal, um Arcebispo, nove Bispos e clérigos e leigos de dezoito denominações cristãs e outros credos.

O discurso mereceu dois minutos de aplauso por parte de todos os presentes. Em resposta a esta expressão de profundo agradecimento, Vassula voltou-se aos ícones de Jesus e Maria e, Os apontando, disse "Obrigado, Jesus e Maria".

Este discurso é uma poderosa chamada profética a todos os cristãos de todas as denominações. Sacode as consciências e exige uma resposta. Deve ser divulgado entre as pessoas de AVVD, e todos os leitores de AVVD devem transmitir esta mensagem aos sacerdotes, ministros, igrejas e bispos.

A Verdadeira Vida em Deus é um chamado à unidade. Todas as pessoas da AVVD têm a responsabilidade de difundir amplamente o livro entitulado "Unity, Virtue of Love" ("Unidade: Virtude do Amor" - ainda não disponível em português - clique).

Incluamos agora uma cópia deste discurso de Vassula na Peregrinação 2007 em cada livro de Unidade que se distribua. Nós, leitores de AVVD, devemos orar e jejuar acompanhando esta mensagem, para que se abram os ouvidos e mudem os corações.

Devemos permitir agora que as graças desta última peregrinação floreçam e se expandam.

Padres John Abberton e Tony Sullivan
15 de junho de 2007

Discurso de Vassula sobre os ensinamentos sobre a Unidade, contida nas Mensagens de A Verdadeira Vida em Deus, na Peregrinação Ecumênica de AVVD na Turquia, em 25 maio de 2007

vontade-sc1

"A Igreja é una e sempre foi una, mas as pessoas da Igreja é que, com suas rixas, seus preconceitos, seu orgulho e, principalmente, sua falta de amor mútuo, conseguiram se dividir, e todos sabemos disso!

Cristo, ofendido, diz em uma mensagem: "O Meu Reino, na terra, é a Minha Igreja; e a Eucaristia é a Vida da Minha Igreja, essa Igreja que Eu Mesmo vos dei. Tinha-vos deixado uma única Igreja; mas, logo que vos deixei, logo que vos virei as Costas para regressar ao Pai, vós reduzistes a Minha Casa à desolação! Atirastes-la por terra! E o Meu povo anda errante, para a direita e para a esquerda. Por quanto tempo terei ainda de beber o Cálice da vossa divisão, Cálice de aflição e de devastação?" (AVVD-14 de novembro de 1991).

Nós deveríamos dar atenção a esse lamento de Cristo, e a busca da reconciliação e da unidade deve permear toda a vida da Igreja e se tornar nossa prioridade, para alcançarmos esse objetivo, que é objetivo de Cristo. É nossa dívida para com Deus, é nossa obrigação para com Ele e é nossa responsabilidade para salvaguardarmos a credibilidade da Igreja.

No entanto, por mais que a Igreja se esforce para atingir essa meta, enquanto a Festa da Páscoa não for unificada e não a celebrarmos juntos, nossa divisão permanecerá e não haverá progresso, pois Cristo vem nos pedindo há anos que unifiquemos as datas da Páscoa, prometendo que, se isso for feito, Ele fará o resto para nos unificar e nos levar a uma unidade plena.

Jesus disse: "Permanecei no meu amor. Se guardardes os Meus Mandamentos, permanecereis no meu amor"(Jo 15, 9-10). Caso contrário, o Senhor diz: "Se alguém não permanecer em mim, será lançado fora, como o ramo. Ele secará e hão de ajuntá-lo e lançá-lo ao fogo, e queimar-se-á"(Jo 15,6).

Obviamente, muitos não levam a sério essas palavras de Cristo. Como se pode ser tão falso e desonesto! Apesar de o Evangelho nos chamar à unidade, apesar das inspirações do Espírito, nossa divisão permanece. Assim, A Verdadeira Vida em Deus não pode mais tolerar que essa gangrena, que mata a funcionalidade do Corpo, nos domine, mas, ao contrário, devemos combatê-la com laços de amor. Todos deveríamos nos sentir responsáveis por ter deixado que essa doença devastasse o Corpo Místico de Cristo - ainda que ela não tenha vindo de nós, mas de nossos antepassados -, corroendo a unidade da Igreja.

A Igreja também deveria ceder, com humildade, e dar ouvidos a todos nós, leigos, que também temos o direito de nos expressar e que buscamos desesperadamente a unidade e a intercomunhão... Sem os leigos, não há Igreja... Todos nós, leigos, desejamos ansiosamente a unidade.

Uma vez que sabemos que Deus abomina a divisão, pois é um erro e um escândalo, por que algumas pessoas da Igreja, conscientemente, continuam a ofender a Cristo, insistindo em manter viva a divisão?

Viver a Unidade com amor e humildade não é uma questão de sentimentalismo nem é vender a fé e a Verdade, mas sim declarar a Veracidade das Escrituras e dar vida a cada palavra do Evangelho. Não deveríamos ficar mortos para a Palavra de Deus.

Os cristãos que permanecem divididos não vivem na Verdade, ainda que queiram parecer fidedignos e justos aos olhos do mundo; e mesmo que rezem muitas Ave-Marias e sigam muitas devoções, sua falta de amor e sua falta de humildade são um indício tão evidente que todos nós percebemos.

Já faz séculos que os cristãos estão divididos - alguns reconhecendo seu pecado e outros reconhecendo, com pesar, que não têm nenhuma possibilidade de partilhar da Sagrada Eucaristia juntos. O que está detendo a Igreja, então? O que os detêm é o fato de não conseguirem entrar em acordo, nem se reconciliar, nem perdoar, pois, mais uma vez, faltam amor e humildade. Enquanto o coração deles não se inflamar de amor a Cristo e do fogo do Espírito Santo, continuarão inativos e inertes como os ossos secos da visão do profeta Ezequiel.

O amor é a raiz e a base da unidade. Se a Igreja ainda não vive em plena comunhão é porque tudo o que é dito ou discutido ou explicado é feito sem amor, é estéril. Essa divisão é dirigida contra Cristo. Todos os que se dizem cristãos e permanecem divididos violam o mandamento de Cristo, que disse: "Amai-vos uns aos outros". Encaremos os fatos: os cristãos que não amam e que só vivem de vanglória jamais se reconciliarão, pois ainda não se desenvolveram plenamente em Cristo.

Lembrem-se de quando Cristo, na Última Ceia, abençoou e ergueu o pão, dizendo a Seus discípulos:"Tomai e comei, este é o Meu Corpo". Depois, tomou o cálice, deu graças e o deu aos discípulos dizendo: "Tomai, todos vós, pois este é o Meu Sangue, o Sangue da Aliança, derramado por muitos, para o perdão dos pecados".

Essa é uma ordem de Cristo, por isso todos nós devemos obedecê-la. Como podemos dizer que vivemos em Cristo, se não fizemos as pazes nem nos reconciliamos uns com os outros? Alguma vez já ocorreu ao povo da Igreja que ele está vivendo diariamente o pecado de sua divisão? Portanto, se sabemos disso, os pastores e todos nós temos que optar.

Há duas opções. A primeira pertence a Deus e vem de Deus, e é: viver em amor, paz, humildade, reconciliação e unidade. A segunda pertence a Satanás e vem dele, e é: ódio, guerra, orgulho, falta de perdão, egoísmo e divisão. Não é tão difícil escolher. Mas, então, se escolhermos ficar do lado de Deus e não agirmos, seremos responsabilizados e pagaremos por cada atitude arrogante, cada orgulho, cada preconceito, por nosso rancor, pela falta de caridade, nossa frieza e por cada palavra que dissermos uns contra os outros, por nosso egoísmo e assim por diante, pois estaríamos violando os Mandamentos de Cristo. É bem simples.

No Dia do Juízo, não podemos dizer a Deus que Ele não mostrou Sua Misericórdia em nosso tempo nem que Ele não nos revelou Seus desígnios, nem poderíamos fingir que não ouvimos o Seu Chamado ou que não o compreendemos. Eu sei, tanto quanto vocês, que os Sinais dos Tempos chamam a todos nós à Unidade. Como é que algumas autoridades da Igreja não conseguem ler os Sinais dos Tempos? Não podemos deixar de lado esses sinais vindos do Espírito Santo. Mesmo assim, alguns o fazem. Isso porque perderam o sentido do sobrenatural e crêem apenas no naturalismo, e isso é um pecado grave.

Essas ações estéreis vão contra o que Cristo pediu ao Pai em Sua Oração, quando disse: "Que todos sejam um em Nós, assim como Tu, Pai, estás em Mim e Eu em Ti, para que o mundo creia que Tu Me enviaste"(Jo 17,21). Ainda mais quando não fazemos nada para trazer a unidade na Igreja, mas permanecemos em silêncio, como sepulcros em um vasto cemitério.

Se alguém lhes disser que vocês estão fazendo a coisa errada ao viver uma unidade espiritual ou fazer intercomunhão, como hoje e nos dias passados, vocês deviam perguntar:

"Por que você põe Deus à prova, impondo que os pastores fiquem divididos? Se está me questionando sobre um ato de reconciliação e amor, deve saber que estou apenas seguindo o Mandamento de Cristo. O que é melhor fazer: seguir o Mandamento de Jesus Cristo ou desobedecê-lo? É pecado amar-se e reconciliar-se mutuamente? Claro que não. Pecado é transgredir e rejeitar o Mandamento de Nosso Senhor e o apelo à Unidade. O seu pecado de divisão destruiu uma parte da Igreja e fez dela uma desolação, e você sabe disso. Então, como o Corpo de Cristo pode ser reconhecido em nós, se permanecermos divididos? Como o mundo poderia crer que foi o Pai quem enviou Cristo? De minha parte, optei por não ser como aqueles túmulos, que são como matéria inanimada que é dispersada e despedaçada pelo próprio ego e pelo espírito de orgulho, preconceitos e interesses próprios, mas ouvirei a ordem de Nosso Senhor e permanecerei nEle, pois li, com a ajuda do Espírito Santo, os Sinais dos Tempos, que nos chamam à Unidade, partilhando em volta de um só Altar... Quero ser o símbolo perfeito da Unidade, atraindo a todos, graciosamente, para a vida, uma 'Verdadeira Vida em Deus', e, assim, habitar na Santíssima Trindade".

E vocês verão, meus amigos, quando essas palavras forem ditas, a reação daqueles que impedem a unidade e detêm as chaves para o Reino de Deus, sem nele entrar nem deixando que outros entrem. A reação será idêntica àquela dos antigos fariseus, anciãos e escribas - Anás, o sumo sacerdote; Caifás, Jônatas, Alexandre e todos os membros da família dos sumos sacerdotes, que perseguiram Pedro e João e disseram entre si: "Para que esta notícia não se espalhe mais entre o povo, proibamos, com ameaças, que no futuro falem a alguém no nome de Cristo"(At 4,17).

Hoje, nossa resposta deveria também ser a mesma de Pedro e João: "Julgai vós mesmos se é justo diante de Deus obedecermos a vós mais do que a Deus. Não podemos prometer que vamos parar de proclamar aquilo que vimos e ouvimos"(At 4,19). E quando, em outra situação, Pedro e os apóstolos disseram ao Sinédrio, ao sumo sacerdote:"Importa obedecer antes a Deus do que aos homens"(At 5,29).

Perguntem também a eles: "Quem de nós dois está pecando? Aquele que se reconciliou com seus irmãos, partilhando de um só Cálice e de um só Pão e seguindo os Mandamentos de Cristo, ou aquele que não se reconciliou e mantém a divisão viva, cuspindo veneno em seu irmão e ficando, assim, do lado do Divisor? Cristo é um Deus da divisão ou da Unidade? Eu, de minha parte, creio que estou do lado certo, pois escolhi a reconciliação, aquela que o Evangelho nos ensina. Não estou convencido de estar pecando, nem desobedecendo, nem prejudicando o Corpo Místico de Cristo, nem pregando princípios prejudiciais aos fiéis. Ao contrário, estou reconciliado com meus irmãos, em humildade e amor, vivendo a unidade espiritual que nosso Senhor vem nos suplicando há séculos". É isso que vocês deviam dizer-lhes.

O Senhor disse em uma mensagem: "Ergue a tua voz na Minha Casa e pergunta aos Meus Pastores: 'Há alguém disposto a agir com vigor e amor, para reconstruir esta Casa vacilante? Há alguém aqui que esteja disposto a defender esta Casa? Há alguém que compreenda agora o que Eu digo? Há alguém, na Casa do Senhor, que esteja disposto a expandir o Reino de Deus?'" (AVVD-20 de outubro de 1998).

Peçamos a nosso Senhor que envie Seu Espírito Santo, que é a Fonte da Unidade Cristã, para iluminar aqueles que ainda levantam objeções no caminho da unidade.

Devemos pedir também ao Espírito Santo que nos fortaleça e nos dê o Espírito de Fortaleza, para podermos continuar a fazer a Vontade de Deus ansiosa e avidamente e para que nunca fiquemos desanimados nem desgastados se um ato vil for cometido contra nós por aqueles que não ouvem o apelo do Espírito Santo: o de sermos um.

Cristo diz, em uma mensagem: "Eu poderia pronunciar apenas uma palavra, nas suas assembléias, e, com essa única palavra, unir a Minha Igreja. Mas a glória do Céu Me será dada pela Pobreza, pela Miséria e por aqueles considerados desprezíveis" (AVVD-13 de outubro de 1991).

Portanto, eu assumo aqui, com todos os leitores contemplativos de A Verdadeira Vida em Deus, a posição da Pobreza, da Miséria e dos que são considerados desprezíveis pelos sábios e inteligentes e peço aos chefes da Igreja que parem, pelo Amor de Cristo, com as rixas entre si e com sua falta de sinceridade e sua indiferença para com a unidade e que permitam que o Espírito Santo os guie, ouvindo o gemido do Espírito, que nos pede, ordena, que nos reunamos em torno de um só Altar, partilhando de um só Cálice e um só Pão, proclamando, a uma só voz, que há um só Senhor, uma só fé, um só batismo e um só Deus, que é Pai de todos, acima de todos, por todos e em todos.

Vassula

Visite a página da Peregrinação

Os organizadores da Peregrinação disponibilizaram uma página na internet, onde consta reflexões, relatórios e vídeos da peregrinação. Clique na imagem abaixo..

vontade-sc2

­