Logo

Notícias

Supostas revelações que estão circulando entre membros de A Verdadeira Vida em Deus

Supostas revelações que estão circulando entre membros de A Verdadeira Vida em Deus

Rev. J.L. Iannuzzi, S.T.L, S.Th.D.


Data: 22 de junho de 2020


Estou escrevendo este artigo em resposta a pedidos de membros de A Verdadeira Vida em Deus para abordar a questão de que membros de AVVD estão fazendo circular entre si mensagens não aprovadas deste e daquele indivíduo que dizem receber mensagens do céu.

Nas últimas décadas, Deus e Maria concederam tudo à humanidade, na realidade mais do que o necessário, para que cada um de nós alcance a salvação e chegue ao máximo da perfeição – viver em Deus e permitir que as três Pessoas divinas habitem em nós com a mesma união interior de vontades que os santos e os anjos desfrutam no céu. Pode-se dizer que, ao nos propiciar revelações proféticas com aprovação eclesiástica que incorporam e explicam a doutrina da Igreja, Deus nos deu todo o conhecimento espiritual de que precisamos, por exemplo, as mensagens proféticas de Fátima, Cuapa, Akita, Santa Faustina Kowalska, Vassula Rydén, Pe. Stefano Gobbi, Mirna de Souffanieh, entre outras.

Na mensagem de A Verdadeira Vida em Deus, com aprovação eclesiástica, de 12 de abril de 1997, a Bem-Aventurada Virgem Maria revela:

“É por isso que a terra está em desordem e tanto sangue inocente é derramado; mas estes também são os sinais dos tempos; Satanás e seu domínio das trevas estão lançando na terra seu vômito, trazendo aflições para as famílias e divisões também; eles estão fazendo surgir falsos profetas no mundo todo... mas isso ocorre para que também os eleitos caiam em sua traição; esses falsos profetas estão sendo derramados sobre vós como chuva, causando tanto mal e tanta confusão, Meus pobres filhos ... palavras e juramentos falsos enchem suas bocas, e suas profecias são como ervas daninhas que prosperam agora nos sulcos do campo do Senhor; suas raízes estão se espalhando para produzir novas ervas daninhas venenosas; os sinais de perigo ecoam em vossos ouvidos, Meus filhos, mas parece que não entendeis nem discernis esses sinais... ficai atentos para que não sejais enganados, e que Deus conceda discernimento aos vossos corações, para que Sua Glória revelada diante de vossos olhos vos atraia para a Verdade;”

Em nossos dias, não faltam supostos videntes desprovidos de apoio eclesiástico que alegam dispor de novas revelações. Os promotores dessas revelações através das mídias sociais e de grupos que se reúnem com o objetivo de disseminar as mesmas, acabaram gerando uma certa confusão entre os fiéis cristãos. Depois de ter lido essas supostas revelações e de tê-las comparado aos ensinamentos contidos nas Sagradas Escrituras, na Tradição e Magistério da Igreja, fica muito claro, conforme comentado abaixo, que a grande maioria dessas novas revelações não é de Deus.

Misturando falsidades com a verdade

Começo com uma palavra de cautela. Aqueles que acham necessário ir atrás das últimas (não aprovadas) mensagens acabam fazendo mais mal do que bem a si mesmos. É muito mais gratificante dedicar-se à leitura, meditação e internalização das palavras verdadeiramente proféticas, às quais a Igreja concedeu já sua aprovação, como, por exemplo, as mensagens de A Verdadeira Vida em Deus e as mencionadas acima. Embora seja uma coisa boa informar a mente sobre as verdades de Deus reveladas, a menos que a alma experimente um tempo proveitoso para meditar, mastigar e assimilar essas verdades, transferindo-as da cabeça para o coração, a pessoa acaba sendo vítima das distrações do maligno, que procura impedir essa intimidade com Cristo que nos leva a um crescimento espiritual.

Não é incomum que uma alegada revelação não aprovada pela Igreja continue circulando durante anos sem que seja verificada sua autenticidade até que a Igreja se pronuncie negativamente sobre ela mediante declaração verbal ou escrita. Também não é incomum que o suposto vidente não tenha orientação teológica qualificada nem direção espiritual saudável. Essas e outras são razões para cautela antes de se ir atrás de revelações não comprovadas.

Quanto ao motivo pelo qual a grande maioria desses supostos videntes não é genuína, a resposta é encontrada em parte na supracitada mensagem aprovada de Maria a Vassula: “...para que também os eleitos caiam em sua traição; esses falsos profetas estão caindo sobre vós como chuva, causando tanto mal e tanta confusão...” Outra razão é a mistura de falsidades com a verdade. Para entender melhor esse fenômeno que prevalece atualmente entre a maioria dos supostos videntes, veja como a Igreja aborda a literatura apócrifa. Depois de uma cuidadosa revisão, a Igreja negou enfaticamente a admissão de todos os livros apócrifos aos cânones das Escrituras Sagradas exatamente por causa da mistura de falsidades com verdades. Assim como a Igreja decidiu não acolher esses livros apócrifos em seu cânon da Palavra inspirada por Deus em razão da referida mistura, assim também uma pessoa em sã consciência não deve ir atrás nem acolher as supostas revelações não aprovadas que misturam falsidades com verdade.

Essas falsidades muitas vezes estão escondidas entre fragmentos das verdades de textos aprovados, por exemplo, a Bíblia, o catecismo, literatura profética aprovada, etc. Encontrei pessoalmente muitos casos de supostos videntes que conhecem bem a Bíblia, o catecismo e/ou literatura profética aprovada, e que então trazem essas verdades aprovadas, armazenadas em sua memória, para a oração pessoal. Na oração, pedem a Deus uma palavra de conhecimento ou simplesmente e passivamente ouvem e pedem para Ele falar. Embora Deus possa Se comunicar com quem Ele quiser, o discernimento dos espíritos sem a devida orientação costuma levar essas pessoas a entender que Deus está falando com elas diretamente e de modo extraordinário, sem interferência do espírito humano ou do diabo. Infelizmente, esses supostos videntes, inexperientes e desconhecendo a diferença entre os dons ordinários e os extraordinários, são vítimas de decepções. Entre os dons ordinários dignos de menção estão as “locuções sucessivas”1 e as “locuções formais”2 , que São João da Cruz considera bastante perigosas sem um diretor espiritual. Entre os dons extraordinários dignos de nota estão as locuções "substanciais" que são bastante raras.3 O resultado final dessas pessoas que consideram que Deus está falando com elas, apesar de sua boa fé, nada mais é do que uma cópia, colagem e repetição da Bíblia, do catecismo e/ou literatura profética aprovada, misturados com suas próprias reflexões humanas. É importante notar que não se obtêm os “dons extraordinários” pedindo-os a Deus, entrando em um estado de meditação, sintonizando os ouvidos à voz de Deus ou adquirindo perfeição nas virtudes, mas são carismas livres que Deus concede a quem Ele quer, quando Ele quer e por que Ele quer. Por esse motivo, a maioria das supostas revelações de hoje, que o destinatário falsamente atribui a Deus, são, na realidade, reflexões humanas. Consequentemente, eles deixam de atender, em vários pontos, aos critérios estabelecidos pela Igreja para que se decrete a veracidade de uma determinada revelação, entre os quais se incluem:


a) Boa doutrina: muitas das supostas revelações de hoje promovem, geralmente, ensinamentos que são incompatíveis com a Sagrada Escritura, bem como com a doutrina e a disciplina da Igreja, por exemplo, negando a validade da eleição papal do Papa Francisco e/ou recusando-se a reconhecer o poder de sua universal e suprema autoridade doutrinal; ênfase nas profecias de catástrofes4 , cenários de fim do mundo e sobrevivência; redução de ênfase ao apelo esperançoso de Deus para retornarmos à Sua misericórdia, à oração, conversão em tempos de Sua misericórdia; ênfase em se acomodar e salvar a si mesmo; redução de ênfase em partir para águas profundas para pregar as Boas Novas a todo o mundo.

Se a mensagem é correta sob o ponto de vista da doutrina, isso não significa, necessariamente, que a mensagem vem de Deus; pode significar apenas que o suposto vidente conhece o catecismo ou literatura profética aprovada. No entanto, quando o vidente tem pouca formação, torna-se cada vez menos provável que as mensagens possam ser sustentadas sem erro. Quando o vidente teve pouca ou nenhuma formação e ainda assim prossegue durante anos sem erros, é um sinal positivo de que as mensagens são realmente sobrenaturais. Esse é o caso das mensagens de A Verdadeira Vida em Deus, com aprovação eclesiástica, recebidas por Vassula, que não tinha qualquer instrução catequética e, no entanto, manteve mensagens divinas sem quaisquer erros doutrinários desde o primeiro dia.

b) Imunidade a erros nos fatos: as mensagens não podem conter qualquer erro nos fatos, o que inclui contradições.

c) Sólidas qualidades pessoais do sujeito: o suposto vidente deve possuir um particular equilíbrio mental, honestidade e vida moral íntegra, sinceridade habitual e capacidade de retornar ao modo normal de uma vida de fé.

d) Equilíbrio mental: o senso comum nos adverte a não sermos apressados em acreditar em alguém que parece ter distúrbios mentais ou emocionais, por exemplo, distúrbios psíquicos ou tendências psicopáticas.

e) Uma saudável devoção e frutos espirituais que perduram: entre estes, o espírito de oração, conversões, atos de caridade e assim por diante.

f) Obediência à autoridade eclesiástica: a obediência eclesiástica "não é uma heteronomia" ou um "impulso interno cego", como alguns sustentam. A Igreja não advoga obediência cega, mas uma obediência informada. A obediência aqui significa que o vidente reconhece que o próprio Cristo encarregou os pastores de Seu rebanho e o devem conduzir (Atos 20,28), e que ele, vidente, deve obedecer às autoridades legítimas nos assuntos que estão sob sua autoridade. Se um pastor ultrapassa seus limites, não há razão para obedecê-lo.

g) Não procurar ganho monetário nem fama: não se pode alegar ser encarregado por Deus para procurar obter dinheiro, fama ou engrandecimento pessoal. Uma evidente busca de vantagem financeira intimamente relacionada com as mensagens é um sinal de fraude.

h) Crescimento na virtude cristã: o vidente que é incumbido de uma missão especial por Deus é dotado de graças especiais para seguir na missão, e essa graça gera crescimento nas virtudes.

i) Cumprimento das profecias: isto é autoexplicativo. Estendo-me mais sobre o assunto na publicação A Theological Review of the Ecclesiastically Approved True Life in God Prophetic Revelations (Uma resenha teológica das revelações proféticas de A Verdadeira Vida em Deus aprovadas pela Igreja).


Espero que esta resposta tenha sido útil. Lembremo-nos de que as mensagens de A Verdadeira Vida em Deus nos convidam a sermos íntimos de Cristo, a meditarmos nas infinitas riquezas de Sua Palavra e a entrarmos em intimidade com Ele. Termino citando as seguintes mensagens de Jesus e de Deus-Pai. Jesus revela:

“Eu sou Santo, mas também quero que entendas que desejo tornar-Me íntimo de ti e que Me tenhas como teu Santo companheiro” (18 de março de 1987).

“Será que alguém ainda não entendeu como aprecio tua intimidade Comigo? o que foi que Eu disse, então, a Simão, que Me convidou à sua casa e ficou escandalizado quando viu Maria sendo íntima Comigo? Eu disse: ‘Simão, não Me recebeste derramando água sobre os Meus pés, mas ela derramou lágrimas sobre os Meus pés e as enxugou com os cabelos; não Me beijaste quando entrei em tua casa, mas ela cobriu Meus pés com beijos o tempo todo; não ungiste Minha cabeça com óleo, mas ela ungiu Meus pés com unguento’” (AVVD, 10 de agosto de 2015).

O Pai revela:

“Minha filha, apoia-te agora no mesmo Coração do qual Meu Filho, Jesus Cristo, está mais próximo… Minha intenção é atrair todas as almas para uma união divina e íntima de amor, deificando-as em Nossa única Substância e em Nossa única Vontade...” (28 de novembro de 1988).

Rev. J.L. Iannuzzi, S.T.L, S.Th.D.



Notas:

1 Sobre essas locuções sucessivas, São João da Cruz afirma: “O desejo de tais locuções e o apego a elas farão com que essas pessoas respondam a si mesmas e pensem que Deus está respondendo...” (A subida do Monte Carmelo, capítulo 29, art.1)
2 Sobre essas locuções formais, São João da Cruz afirma: “Uma pessoa não deve prestar mais atenção a todas essas locuções formais do que às do outro tipo (sucessivas), pois além de ocupar o espírito com assuntos irrelevantes para a fé... elas se tornarão vítimas fáceis dos enganos do diabo. Há vezes em que dificilmente se podem discernir as locuções faladas pelo bom espírito das que vêm do mau espírito. No entanto, essas locuções devem ser manifestadas a um confessor maduro ou a uma pessoa discreta e sábia que dará instruções e conselhos e considerará o que há de certo a fazer” (Ibid., capítulo 30, arts. 1-5).
3 São João da Cruz descreve três tipos de locuções, quais sejam: "Locuções sucessivas" (João da Cruz, A subida do Monte Carmelo, capítulo 29, art.1), “Locuções formais” (Ibid., capítulo 30, artigos 1-5) e “Locuções substanciais” (Ibid., capítulo 31, art. 1). Somente as locuções substanciais constituem um dom extraordinário de Deus. Muito, muito poucas pessoas são dotadas livremente desse dom de Deus. Esse dom não é fruto da mediação, do exercício das virtudes ou da santidade de vida. Esse dom não pode ser pedido nem obtido; é um dom gratuito que Deus dá a quem Ele quer, quando Ele quer e por que Ele quer.
4 Por exemplo, a promoção de refúgios físicos ou abrigos seguros, a alegação de que o Anticristo terá o poder de hipnotizar os outros, etc.
5 Cf. Gaudium et Spes, op. cit., nn.17, 79; Encyclical Veritatis Splendor, Libreria Editrice Vaticana, nn. 41-42, 1993.



Deus nos abençoe

Leonardo Cesar Harger
Contato Nacional
Qualquer dúvida, envie um e-mail para:


­