O Hino de Amor

Os Manuscritos das Mensagens

 

manuscritos modelo

As mensagens dadas a Vassula são escritas por ela com uma caligrafia majestosa - distinta da sua própria - como ela permite que sua mão seja guiada sobrenaturalmente.

Muitas pessoas, incluindo a própria Vassula, têm perguntado se esta escrita é realmente de Jesus. A resposta de Jesus foi que esta não é a Sua caligrafia, pois então ela seria perfeita. Mas Ele sempre diz: "Vassula, permita-Me usar tua mão", ou "escuta e escreve..." Como no caso de muitos mistérios sagrados, este não é fácil de entender plenamente, mas pode ser proveitoso para muitos se compartilharmos das observações que Vassula e o Pe. O'Carroll têm feito em diversas ocasiões.
Veja um manuscrito ampliado

 

Vassula anota a mensagem do Senhor como ela a recebe, de duas maneiras diferentes. Uma maneira ela escuta e transcreve exatamente as Suas palavras. Outras vezes, Ele lhe dá a 'luz' ou a compreensão do pensamento que Ele deseja transmitir. Neste caso, ela o transcreve da melhor maneira que puder expressá-lo.

Em ambos os casos, sua mão é guiada escrevendo lenta e majestosamente como Jesus prefere. Ele lhe mostrou que ela poderia copiar as mensagens rapidamente na sua própria escrita, mas prefere este modo que manifesta a Sua presença. Além de ser o Autor das mensagens, Ele atua diretamente sobre a escrita.

O Pe. O'Carroll fez esta observação:... "Outros, como Maria Conceição de Armida, Adriana von Speyr e Santa Brígida da Suécia, escreveram sob o ditado de Senhor. O caso de Vassula é diferente, já que a sua mão é controlada diretamente. Nós temos a transcrição de uma experiência pessoal intensa de Jesus Cristo com a garantia de Sua participação no elemento físico da escrita." Vassula diz também que é como se a sua mão fosse 'tomada', como quando um vidente está em estado de arrebatamento ou êxtase em todo o corpo. A pessoa está consciente mas desligada do ambiente ao seu redor, pois toda a sua atenção está fixada na presença sagrada de Deus ou de Sua Santa Mãe. Vassula acredita que, como sua escrita sob o ditado do Senhor é afetada pela Sua presença, cada vez que nós estamos conscientes da santidade de Deus e que nós estamos n'Ele, tudo aquilo que nos cerca é elevado a um nível que nós não poderíamos atingir por nós mesmos. Jesus nos ensina assim visualmente que cada vez que nós O deixamos utilizar-nos e que nós fazemos a experiência de Sua presença, os resultados são muito maiores que o que podem realizar nossos pobres meios. Ele nos diz: "Eu sou a videira e vós os ramos".

Interpretação grafológica da caligrafia de Vassula, a cargo de J.A. Munier, cons. grafológo SGF. GGOF., perito no tribunal de 1a. instância de Paris, França.

Pe. René Laurentin submeteu as mensagens de Vassula a J. A. Munier, Grafólogo diplomado de altíssima reputação. Não lhe revelara nada desta senhora que não conhecia, além do nome e da idade: 47 anos. A análise que segue, reproduzida abaixo, inclui a análise da escrita com os tipos grandes (de Jesus) e a pequena (escrita normal de Vassula).

O laudo foi prefaciado com o título:
"Interpretação grafológica, sem informações preliminares (e sem ter em conta o texto, por falta de conhecimento da língua inglesa)."


INTERPRETAÇÃO DOS TIPOS GRANDES DITADOS POR JESUS

- Força telúrica formidável.
- Entusiasmo encerrado numa componente edonística, isto é, que parece gerar uma forma de bem-estar.
- É permeada por uma força que a transcende e supera.
- É investida por uma força invisível à qual reage com simplicidade primitiva, enquanto há também nela, noutros setores, um elemento requintado.
- Convicção do poder do invisível que ela percebe com intensidade.
- É uma intermediária, como que um centro de transmissão e ampliação.
- Tem uma fé mística.
- É sensível a um certo entusiasmo sereno, num estado de plenitude.
- É como que desdobrada, alimentada por uma força invisível e indestrutível.
- Em todo o caso, o sentido prático revela-se-lhe um pouco estranho.
- É muito diligente, é uma aluna dócil.
- É como se vivesse numa segunda natureza, indiferente ao mundo exterior.
- É capaz de perceber fortemente mundos invisíveis, como um medium.
- Tem uma grandíssima força concentrada e é rica de introspecção.
- Não se pertence. É dotada de um certo rigor.
- Tem um grande domínio de si mesma, provavelmente, mesmo no seu porte.
- Tem 'estilo'.

Interpretação adicional dos fragmentos gráficos, em escrita menor entre as linhas:
- Personalidade que vive no seu universo.
- Não é tola.
- Em todos os casos, é inteligente.
- Segue uma lógica sua.
- É capaz de um certo coordenamento.
- Tem atitudes de delicadeza, gentileza e doçura.
- Persegue um fim, ao qual se consagrou.
- Tem inspiração de um nível elevado.
- A sua vida é iluminada por um ideal.
- Nada mais tem valor para ela.

Extrato do encontro entre o Pe. René Laurentin e Vassula em 1989.
Pe Laurentin: ...não é sequer a sua caligrafia, é a de um outro. E, muito embora seja a sua mão, um grafólogo não se atreveria a afirmar que se trate da mesma pessoa.

Vassula: Sim, no entanto, Jesus disse-me, e mostrou-me claramente, que esta caligrafia não é uma caligrafia automática, como algumas pessoas supõem. Um dia, Ele disse-me: "Hoje, escreverás a Minha mensagem com a tua própria caligrafia, a fim de que aqueles que ainda não compreenderam bem a Graça que te dou, possam reconhecer que te dou também a Graça de ouvir a Minha voz. Hoje, deixa-Me só ditar. Escuta-Me e escreve."

Pe Laurentin: E, neste momento, Vassula mostra-me o seu caderno, no qual a caligrafia muda, na mensagem seguinte: a sua pequena e conhecida caligrafia começa:

'Vassula, os dias já estão contados.'

E esta mensagem de duas páginas termina com estas palavras (sempre com a caligrafia pessoal de Vassula):
'Isto, para aqueles que pensam que a tua mão seja empurrada por Mim, sem que tu ouças e compreendas aquilo que Eu, Senhor, te inspiro. Agora, continuemos a escrever do modo que mais Me agrada, Minha Vassula.'

E, justamente aqui, reaparece a caligrafia maior:
'Recebe a Minha Paz, está atenta'.
Não, Vassula não está sob uma dependência mecânica nem robótica. É inspirada e não manipulada; e exprime-se com perfeita espontaneidade. É livre, calma e feliz. É mais uma receptividade que uma dependência. Nenhuma imposição, mas um acolhimento de amor. Peço-lhe um esclarecimento:
- Mas, nestas mensagens, é a sua mão que se move ou são ditados ao ouvido?

Vassula: São ditados ao ouvido!

Pe. Laurentin: Mas a senhora disse que a sua mão é, de certo modo, empurrada.
Vassula: Sim, é simultâneo. A princípio, Ele guiava a minha mão sem ditar. Um dia disse-me: "Agradar-Me-ia que aprendesses a ouvir a Minha voz: a voz interior". E, em seis semanas, aprendi a ouvir a Sua voz. É um ditado, palavra por palavra; e, às vezes, há mesmo palavras que eu não compreendo. Tenho, depois, que procurá-las no dicionário.

Pe Laurentin: Há também dificuldades com palavras inglesas?
Vassula: Sim. Há algumas palavras que eu não conheço. Às vezes, Jesus dita-me o parágrafo completo e tenho de apressar-me a escrevê-lo, antes que o esqueça. Mas se acaso me esqueço de alguma coisa, Ele recorda-me a palavra que tinha saltado. Um dia, convidou-me a confessar-me; eu era contrária a confissão. Desejava, então, fazer desaparecer a frase iniciada, mas Ele bloqueou-me a mão. Era como se o lápis tivesse entrado num buraco. Então, empurrei-o com a outra mão que sentia mais livre e o lápis deu uma volta nas mãos, saltou fora e a mão voltou-se para trás.

Pe Laurentin: A direrença da caligrafia é evidente. Quando Vassula escreve sob ditado, a caligrafia é grande, com letras muito altas. Quando escreve de sua própria iniciativa, para comentar ou precisar, a caligrafia é pequena e conhecida. Por outro lado, Vassula escreve duas vezes: uma primeira vez, muito à pressa; depois, volta a copiar, de uma forma um tanto mais cuidada, eliminando as partes pessoais e privada.

Vassula: Quando volto a copiar, Ele corrige-me.
Pe Laurentin: Mas, por entre as palavras, a senhora, às vezes, desenha corações, muitos corações.
Vassula: Querem significar o Sagrado Coração.
Pe Laurentin: E também isto é mandado às suas mãos?
Vassula: Sim, obedeço. Algumas vezes, é um peixe (símbolo de Cristo.)

Pe. Laurentin: A senhora, agora mesmo, disse: Ele é transcendente e próximo, adorável e íntimo. Como concilia esta familiaridade com a adoração?

Vassula: Antes, escrevia sentada. Agora, escrevo de joelhos, diante de uma mesinha, no meu quarto, onde tenho uma dezena de imagens. A princípio, não estava de joelhos; mas quando compreendi verdadeiramente a mensagem, compreendi também a grandeza de Cristo, Ele mesmo me disse: "Vassula, não mereço um pouco mais?". A partir desse momento, ponho-me sempre de joelhos.

Pe Laurentin: E quanto tempo dura?
Vassula: Quatro ou cinco horas; às vezes, seis: quatro, de manhã e duas, de tarde.

Pe Laurentin: Então, a senhora não só escreve, mas também reza, pede?
Vassula: Sim, conto-Lhe tudo. Disse-me que não devo nunca dar um só passo sem Lhe pedir: "Vem ter Comigo, pede-Me conselho e Eu te darei."

­